30 de jul de 2011

Comprimido de hormônio pode ajudar na cura do medo de altura, diz estudo

Cientistas na Universidade de Basel, na Suíça afirmam que comprimidos de hormônio do estresse, o cortisol, podem ajudar pessoas a superar o medo de altura. 
A pesquisa, publicada na revista especializada Proceedings of the National Academy of Sciences, pode levar ao desenvolvimento de tratamentos para uma série de problemas ligados à ansiedade.
Os cientistas fizeram testes em 40 pacientes que sofriam de medo de altura, ou acrofobia. Além dos comprimidos de cortisol e placebos, os pacientes também passaram por terapia comportamental.
Depois dos testes, os pesquisadores descobriram que os que receberam o cortisol junto com a terapia comportamental tinham registrado uma grande redução do medo.
Terapia   
Fobias, como o medo de altura são comuns e a característica delas é o medo pronunciado e desproporcional de certos objetos ou situações, como olhar para baixo de cima de uma plataforma elevada.
Para o tratamento de fobias geralmente é aplicada uma forma específica de de psicoterapia, a exposição do paciente de forma controlada a situações consideradas assustadoras, para, gradualmente, diminuir o medo.
O professor Dominique de Quervain, diretor do Departamento de Neurociência Cognitiva da Universidade de Basel, sugeriu, devido aos seus estudos anteriores, que o cortisol poderia ajudar no processo de "aprendizagem" do paciente durante esta terapia de confrontação.
Os 40 pacientes que participaram da pesquisa sofriam de vertigens e, durante uma semana, tiveram três sessões da terapia de confrontação de seu medo.
Metade deles recebeu um comprimido de cortisol uma hora antes da sessão de terapia, a outra metade recebeu um comprimido de placebo.
Os pacientes eram em seguida expostos a situações de medo de altura por meio de realidade virtual.
Os cientistas mediram o medo dos pacientes três a cinco dias depois da terapia e um mês depois da última exposição à situação de medo. A análise do medo dos pacientes foi feita através de questionários e sensores colocados na pele.
As pessoas que tinha recebido o comprimido de cortisol mostraram uma diminuição significativa no nível de ansiedade, em comparação com os pacientes que receberam o placebo.
Agora, os cientistas da Universidade de Basel planejam investigar os efeitos do cortisol junto com a psicoterapia no tratamento de outras fobias e ansiedades. 
Fonte: www.uol.com.br

29 de jul de 2011

DIETAS HOSPITALARES

Dietoterapia
. Ciência que estuda o tratamento das doenças através da alimentação;
. Independente do tipo de dieta prescrita, o propósito de qualquer dieta é suprir o organismo com nutrientes necessários;
. Adequar a dieta ao doente representa: modificações qualitativas e quantitativas da dieta original-temperatura, volume, adequação do valor calórico, alterações nos macronutrientes e restrições;


Considera-se...
Valor dos Alimentos; ComposiçãoQuímica; Transformações culinárias; Estado Nutricional; Perfil Clinico; Hábitos e Cultura; Ambiente; Patologia de Base.


Padronização de Dietas
-Condutassemelhantes,facilitaotrabalhonaproduçãoedistribuição;
-Permitetreinamentodepessoal;
-Flexívelepermitiradequaçõesàscondiçõesindividuais;
-Permitetransmitir,aequipedetrabalho,característicasdecadadieta,uniformizandoanomeclatura;


Dieta Especiais
•Com alterações substanciais de alguns nutrientes ou em sua forma de preparo.
•Tem por função ajudar a compensar a disfunção da parte afetada do organismo
-Hipogordurosa
-Hipoproteica
-Para diabéticos

Dieta Modificada
Aquela que, em qualquer de suas características, físico-químicas, deve ser ajustada a uma alteração de processo digestivo ou de funcionamento geral do organismo.
-Sem resíduos
-Hiperproteicas
-Com restrição de sal

Alterações...
Sabor ; Temperatura; Volume; Resíduos; Consistência

A dieta pode ser doce, salgada, mista ou de sabor suave ou moderado.
Evita-se altas concentrações:
Sal
Açúcar
Ácidos

Temperatura
SegundoSola(1988),astemperaturasextremasatenuamouamortizamasensibilidadedosórgãosgustativoseosalimentosquentestemmaiorpotencialdesaciedadeenquantosfriosretardam.

Resíduos
De acordo com a quantidade e qualidade de celulose contida nos alimentos vegetais e com a rigidez do tecido conectivo de animais.
Isenta de residuos
Poucos resíduos
Resíduos brandos
Rica em resíduos

Consistência
Normal
Branda
Pastosa
Semilíquida
Líquida Completa
Liquida Restrita
Zero

Dieta Normal
Geral ou Livre;
Consistência normal e quantidade suficiente de nutrientes;
Cuja condição clínica não exige modificações, por não interferir no sistema digestivo e na tolerância normal ao alimento.



Dieta Branda
Valor nutricional similar a dieta normal;
É a dieta que facilita a digestão e diminui o tempo em que é realizada.;
É uma dieta de transição entre as consistências pastosa e normal.
Pós-operatórios
Afecçõesgastrintestinais
Problemas de mastigação

Dieta Pastosa
Tem por finalidade ser mastigada e deglutida com pouco ou nenhum esforço.
Repouso digestivo
Disfagias
Doenças neurológicas
Insuficiencia cardíaca e respiratória


Dieta Semilíquida
Propiciar repouso digestivo. Exclui a mastigação e é constituída por pouco resíduo, requerendo o mínimo trabalho digestivo.
Uso de espessantes;
Teor calórico diminuído

Dieta Líquida Completa
Todos os alimentos e preparações na forma líquida;
Mínimo esfoço gastrico e pouco resíduo;
Valor nutricional reduzido –uso de suplementos calórico-proteicos
750-1.500Kcal/dia
Maior repouso gastrintestinal

Dieta Líquida Restrita
Cristalina ou de líquidos claros;
Hidratação e míni,ma formação de resíduo;
Máximo repouso gastrointestinal;
Baixo valor nutricional, evoluir rápido ou iniciar nutrição enteral;
Reduzir parenteral e introduzir oral
Pré-operatório cirurgia de cólon
Pós-operatório imediato

Dieta Zero
Jejum,
Ausência de ingestão de alimentos por via oral;
Essa jejum tem que ser controlado, para que o paciente não fique de zero além do necessário;
Preparo de exames
Pré e pós-operatório;









26 de jul de 2011

Diabetes Mellitus Gestacional

INTRODUÇÃO

Diabetes Mellitus Gestacional (DMG) é definido como qualquer nível de intolerância a carboidratos, resultando em hiperglicemia de gravidade variável, com início ou diagnóstico durante a gestação. Sua fisiopatologia é explicada pela elevação de hormônios contra-reguladores da insulina, pelo estresse fisiológico
imposto pela gravidez e a fatores predeterminantes (genéticos ou ambientais). O principal hormônio relacionado com a resistência à insulina durante a gravidez é o hormônio lactogênico placentário, contudo, sabe-se hoje que outros hormônios hiperglicemiantes como cortisol, estrógeno, progesterona e prolactina também estão envolvidos.
A incidência de DMG é de 3% a 7%, variando de acordo com a população estudada e com os critérios diagnósticos utilizados.
Nos Estados Unidos, são diagnosticados 135.000 novos casos por ano, tendo uma prevalência de 1,4% a 2,8%, nas populações de baixo risco e de 3,3% a 6,1%, nas populações de alto risco.
No Brasil, estima-se prevalência de 2,4% a 7,2%, dependendo do critério utilizado para o diagnóstico.
Devido a implicações éticas, estudos aleatorizados a respeito do DMG são raros e, sendo assim, as recomendações desta diretriz serão sustentadas, na maior parte das vezes, por estudos.

POR QUE DIAGNOSTICAR O DMG?
A gestante portadora de DMG não tratada tem maior risco de rotura prematura de membranas, parto pré-termo , feto com apresentação pélvica  e feto macrossômico. Há também risco elevado de pré-eclâmpsia nessas pacientes.
Com relação ao feto, além da macrossomia, o risco para o desenvolvimento de síndrome de angústia respiratória.
. Diabetes Mellitus Gestacional  
Ocasiona: miopatia, icterícia, hipoglicemia, hipocalcemia, hipomagnesemia e policitemia com hiperviscosidade sangüínea, encontra-se fortemente aumentado.
O resultado perinatal está diretamente relacionado ao controle metabólico materno, com evidência de 52,4% de macrossomia, 14,3% de óbito fetal e 8,2% de má formações em gestantes com controle metabólico não adequado, caracterizado por média glicêmica superior a 130 mg/dl no terceiro trimestre.

COMO DIAGNOSTICAR DMG?
O diagnóstico envolve duas fases distintas – rastreamento e confirmação diagnóstica. Os critérios e testes utilizados para o rastreamento e diagnóstico do DMG são controversos, pela existência limitada de estudos comparativos.
O teste inicial recomendado para a triagem de DMG é a dosagem da glicemia plasmática 1h após teste oral com 50g de dextrosol, devendo ser realizado entre a 24a e 28a semanas de gestação. São aceitos como valores de corte tanto 140 mg/dl quanto 130 mg/dl, com cerca de 80% e 90% de sensibilidade, respectivamente.
A dosagem da glicemia plasmática em jejum também pode ser utilizada como rastreamento e diagnóstico de DMG. A associação glicemia de jejum (GJ) + fator de risco (FR) é método alternativo de rastreamento, orientado pelo Ministério da Saúde do Brasil, considerando a praticidade e o baixo custo, pois a GJ é exame de rotina e a investigação de riscos para DMG é obrigatória na anamnese da primeira consulta no pré-natal. Durante o primeiro trimestre de gestação, os níveis glicêmicos tendem a valores mais baixos, contudo, mais estudos são necessários para a determinação de valores de referência.

RASTREAMENTO/SCREENING DIAGNÓSTICO/TOTG
Como não existe uma definição clara, valores acima de 100 mg/dl devem ser considerados alterados. A partir da 24ª semana de gestação, a glicemia de jejum com valores acima de 85 mg/dl pode ser considerada como rastreamento positivo. Este parâmetro, por sua vez, apresenta um VPN (valor preditivo negativo) de 97%, porém baixa sensibilidade e especificidade. Valores acima de 110 mg/dl confirmam o diagnóstico de DMG, em qualquer fase de gestação.
Resultados anteriores observados em nosso meio demonstraram equivalência estatística no rastreamento feito pelo Teste Oral de Tolerância à Glicose (TOTG) 50g e pela associação GJ + FR. Estudo recente ratificou tais resultados e evidenciou semelhança estatística entre os dois métodos (TOTG 50g e GJ+FR) nos índices de sensibilidade(86,4 e 76,9%), valor preditivo negativo (VPN) (98,7 e 98,9%), razão de probabilidade negativa e resultados falso negativos (15,4 e 23,1%), respectivamente comparados ao teste diagnóstico (TOTG 100g). Estudo comparando os critérios diagnósticos adotados pela ADA (American Diabetes Association) com parâmetros adotados pela OMS (Organização Mundial de Saúde), para o teste oral de tolerância a glicose com 75g de dextrosol, concluiu que os últimos são mais sensíveis, sem alterar o intervalo de confiança para detecção de risco de complicações relacionadas
ao DMG2. Colaborando com este dado, outro estudo, utilizando os critérios da OMS, demonstrou um alto índice de complicações em pacientes portadoras de DMG não tratadas. Estudos observacionais demonstraram que grávidas com apenas um valor alterado, segundo os critérios de Carpenter e Coustan, estão mais propensas a complicações do que pacientes controle O TOTG 100g é mau preditor da macrossomia fetal13,14. O perfil glicêmico é teste utilizado no diagnóstico e no controle de tratamento do DMG e da hiperglicemia diária, padronizado pela avaliação das glicemias plasmáticas maternas, a cada duas horas, por um período de 12 horas (diagnóstico) ou 24 horas (tratamento). Os limites de normalidade são valores abaixo de 90 mg/dl, no jejum e inferiores a 130 mg/dl, nas pós-prandiais.
A resposta, normal ou alterada, do PG é independente do resultado do TOTG 100g e pode estar alterada de forma isolada, confirmando a hiperglicemia diária (grupo IB de Rudge), ou associada à resposta anormal ao TOTG 100g, diagnosticando o DMG Este grupo representa 13,8% da população de gestantes com rastreamento positivo para DMG, com percentual elevado de macrossomia e morte perinatal comparável às gestações associadas ao diabetes e 10 vezes maior que a gestação normal.
Sob a luz destas informações, acreditamos que adotar critérios mais abrangentes, com a intenção de evitar ao máximo falso-negativos durante a pesquisa diagnóstica, é a melhor conduta no DMG.

QUAIS PACIENTES DEVEM SER PESQUISADAS?
RASTREAMENTO
GJ + FR (1ª consulta pré-natal) TOTG 50g (24-28 sem.) < 85 / 90 mg/dl.
 FR presente > 90 mg/dl
FR presente ou ausente 1 hora > 140 / 130 mg/dl
RASTREAMENTO POSITIVO
TOTG (24-28 sem.) TOTG + PG (24-28 sem.) 100g ou 75g
CONFIRMAÇÃO DIAGNÓSTICA do DMG  que devem ser usados como guia para atenção individualizada à paciente. A triagem em todas as gestantes é o mais recomendado, pois quando nos baseamos em fatores de risco, diminuímos a necessidade de confirmação diagnóstica.
A ADA2 orienta os seguintes limites para indicação de insulinoterapia associada à dieta, o que, indiretamente, caracteriza as metas para as glicemias plasmáticas no controle de tratamento:
• Glicemia de jejum £ 105mg/dl
• Pós-prandial de1hora £ 155mg/dl
• Pós-prandial de 2 horas £ 130mg/dl
 Diabete e Hipertensão na gravidez, é mais rígido quanto ao controle glicêmico materno. Preconiza o limite de
90 mg/dl para o jejum e de 130 mg/dl para qualquer pós-prandial, o que refletiria em média glicêmica diária inferior a 120 mg/dl.

COMO TRATAR O DIABETES GESTACIONAL?
Revisão sistemática sobre a eficácia da insulina na prevenção da macrossomia em fetos de mães diabéticas gestacionais, incluindo 1281 gestantes, mostrou benefícios da insulina comparada à dieta. Porém, os achados
(redução de risco 0,098; IC: 0,168 a 0,028) indicam a necessidade de novos estudos controlados, pela heterogeneidade na literatura.
Fatores de risco e fatores protetores para DMG
. Obesidade e sobrepeso Peso normal antes da gestação;
. História familiar de diabetes Idade < 25 anos;
. Síndrome do ovário policístico História familiar negativa para diabetes;
. Ganho excessivo de peso durante a gestação;
Complicações obstétricas prévias:
. Idade > 25 anos; 
. Baixa estatura;
. Tabagismo;

QUAIS SÃO AS METAS PARA O TRATAMENTO?
A - Glicose plasmática em jejum < 105 mg/dl. ou Glicose de jejum em sangue total < 95 mg/dl.
B - Glicose plasmática 1h pós-prandial < 155mg/dl ou Glicose 1h pós-prandial em sangue total < 140mg/dl.
TRATAMENTO ALIMENTAR
Dietas abaixo de 1200 Kcal/dia ou com restrição de mais de 50% do metabolismo basal não são recomendadas, pois estão relacionadas com desenvolvimento de cetose.
A grávida portadora de DMG deve fazer aproximadamente seis refeições por dia, sendo três principais e três lanches. O lanche noturno é importante para evitar a cetose durante o sono.
Grávidas obesas devem ser submetidas a leve restrição calórica, com total de 25 Kcal/kg de peso atual por dia. Grávidas com peso normal devem ser orientadas a ingerir um total calórico diário em torno de 30 Kcal/kg de peso e grávidas de baixo peso 35 Kcal/kg. Nos 2º e 3º trimestres de gestação, deve-se adicionar 300 Kcal por dia. O valor calórico total deve ser bem distribuído durante o dia, com 15% no café da manhã, 10% na colação, 30% no almoço, 10% no lanche da tarde, 25% no jantar e 10% na ceia.
A distribuição sugerida dos nutrientes é de 40% a 50% de carboidratos, 25% a 30% de proteínas e 25% a 30% de gorduras.
ATIVIDADE FÍSICA
Atividade física leve a moderada, em pacientes sem contra-indicações clínicas ou obstétricas, contribue para a redução e o controle da glicemia.
INSULINOTERAPIA
Insulinização é indicada quando:
• Jejum >  90 mg/dl e qualquer pós-prandial > 130 mg/dl na vigência de dieta exclusiva.
• Após uma semana de adoção das medidas dietéticas sem atingir alvo de tratamento;
• Parâmetros ultra-sonográficos indicativos de macrossomia ou polidrâminio, mesmo na vigência de parâmetros laboratoriais adequados.
Deve-se dar preferência à insulina humana em detrimento da animal, pelo fato da primeira ser menos imunogênica, prevenindo a formação de anticorpos, que ultrapassam a barreira placentária.
Apesar de alguns estudos demonstrarem que a insulina lispro não é encontrada na circulação fetal e do uso clínico esporádico em gestantes, ainda não existem evidências que embasam esta conduta.  Não existem trabalhos sobre o uso de insulina aspart ou glargina em gestantes.
ANTIHIPERGLICEMIANTES ORAIS
Não existem evidências que justifiquem ou embasem o uso de antihiperglicemiantes durante a gestação. Entretanto, um estudo sobre o uso do gliburide, sulfoniluréia de segunda geração, que não cruza a placenta, demonstrou ação comparável à insulina e necessidade de substituição por insulina em menos de 10% das diabéticas randomizadas. O uso desta droga em gestantes diabéticas ainda não foi aprovado pelo Food and Drugs Administration (FDA), sendo necessários mais estudos, em maior número de gestantes, para estabelecer a segurança deste tipo de terapia. Assim, mantém a orientação de se usar insulina, e não anti hiperglicemiantes orais, durante a gestação.

ATENÇÃO PRÉ-NATAL
São pontos de destaque na assistência prénatal das portadoras de DMG, a freqüência das consultas, o controle metabólico materno e a avaliação do bem-estar fetal.
• As consultas de pré-natal devem ser quinzenais, do diagnóstico de DMG até a 32ª semana e, daí em diante, semanais até o parto;
• O controle glicêmico materno coincide com as consultas de pré-natal e é realizado pelo Perfil Glicêmico (PG) de 24 horas, nas gestantes usuárias de insulina e de 12 horas, nas controladas com dieta e exercício físico;
• Deve ser realizado um ultra-som no primeiro trimestre para datar a idade gestacional, um segundo entre a 24ª/25ª semanas para avaliação da morfometria fetal e, a partir da 30a semana, deve ser mensal para avaliação da biometria-desenvolvimento fetal, índice de líquido amniótico (ILA) e grau placentário, com Doppler das artérias umbilical e cerebral média, de preferência, a cada quinze dias;
• Cardiotocografia anteparto – a partir da 28ª/30ª semana de gestação, semanal, nas gestantes seguidas em ambulatório e diária, nas gestantes durante as internações.

Medidas de controle glicêmico no período peri-parto.
Infusão contínua de insulina;
Aplicação intermitente de insulina subcutânea;
Não administrar dose habitual de insulina;
Iniciar SGI5% 100 ml/h;
Iniciar infusão de solução com insulina a 0,5Ui/h;
Monitorizar glicemia a cada hora;
Ajustar infusão de insulina para manutenção da glicemia entre 80-120 mg/dl;
Aplicar metade da dose habitual de insulina NPH;
Iniciar SGI5% 100 ml/h;
Monitorizar glicemia a cada hora;
Administrar doses intermitentes de 2-6Ui de insulina regular caso necessário para manutenção da glicemia entre 80-120 mg/dl;

ATENÇÃO PERI E PÓS-PARTO
Não existem recomendações específicas para via de parto, sendo esta determinada pelas condições obstétricas específicas da paciente. Por existir um risco maior de desenvolvimento de macrossomia após a 38ª semana, é recomendado que a gestação não se prolongue além deste período.
No período pré-parto, a meta do controle glicêmico deve estar entre 80 e 120 mg/dl. O controle da hiperglicemia é de grande importância, pois a maioria das complicações fetais está relacionada à elevação da glicemia materna no pré e peri-parto.
Gestantes que não usaram insulina durante a gestação, geralmente, não necessitam de cuidados especiais durante o parto. A partir do início do jejum, deve-se iniciar infusão venosa de solução glicosada a 5% a 100 ml/h. A medida da glicemia capilar deve ser realizada a cada hora para monitorização adequada. Bolus de insulina regular podem ser usados caso ocorram elevações glicêmicas significativas.
Pacientes em uso de insulina poderão ser controladas com insulinoterapia venosa contínua (indicada para pacientes com maior labilidade glicêmica), ou sob regime de controle intermitente com insulina regular. 
Para o dia do parto: 1/3 da dose total de insulina usada na gestação; soro glicosado a 10%, via intravenosa, 40 gotas/minuto, glicemia capilar de 4/4 horas e reposição com insulina regular, se necessário.
Após o parto, com a retirada da placenta, as alterações metabólicas são revertidas, e os níveis glicêmicos normalizados.
O aleitamento materno deve ser estimulado.

CUIDADOS E ORIENTAÇÕES EM LONGO PRAZO
Pacientes que desenvolvem DMG têm alto risco de recorrência em gestações futuras. Estas pacientes apresentam também risco de 20% a 40% de desenvolverem DM tipo 2, num período de 10 a 20 anos.
Em nosso meio, observou-se que 44,8% das portadoras de DMG desenvolveram DM tipo 2 após 12 anos da gestação-índice.
Além das complicações no pós-parto imediato, estudos demonstraram que fetos macrossômicos têm risco aumentado de desenvolverem obesidade e DM durante a adolescência.
É recomendado que a parturiente realize TOTG com 75g de dextrosol após seis a oito semanas do parto.
Orientações gerais sobre melhoria dos hábitos de vida com estímulo à alimentação mais saudável, perda de peso e realização de atividade física regular devem ser adotadas como medidas preventivas.






21 de jul de 2011

Cirurgias Gratuitas de Lábio Leporino e Fenda Paladina!



TRIAGEM DOS PACIENTES NOS DIAS 06 E 07 DE AGOSTO - HOSPITAL DO FUNDÃO ÀS 08:00HS

INFORMAÇÕES:             (21)71523855       E             (11) 3443-1710      



Acho importante passar para o maior número de pessoas, quem sabe alguém precisa.

Façam uma criança Feliz!




Para quem não sabe o que é, segue explicação:

O lábio leporino (cientificamente fissura labiopalatal) é uma abertura na região do lábio ou palato, ocasionada pelo não fechamento dessas estruturas, que ocorre entre a quarta e a décima semana de gestação. O adjetivo leporino refere-se à semelhança com o focinho fendido de uma lebre.

A fenda palatina é uma anomalia genética, que ocorre durante a formação e desenvolvimento do feto, onde o paciente apresenta comuniçação buco – nasal, devido a perfuração no palato, onde é possível observar o septo nasal, bem como as conchas inferiores. Pode atingir palato duro e palato mole.Embora extremamente raro, lesões palatinas podem ocorrer, provenientes de sífilis não tratadas.

20 de jul de 2011

Pressão Arterial

O coração é uma bomba eficiente que bate de 60 a 80 vezes por minuto durante toda a nossa vida e impulsiona de 5 a 6 litros de sangue por minuto para todo o corpo.
Pressão arterial é a força com a qual o coração bombeia o sangue através dos vasos. É determinada pelo volume de sangue que sai do coração e a resistência que ele encontra para circular no corpo.
Ela pode ser modificada pela variação do volume de sangue ou viscosidade (espessura) do sangue, da freqüência cardíaca (batimentos cardíacos por minuto) e da elasticidade dos vasos. Os estímulos hormonais e nervosos que regulam a resistência sangüínea sofrem a influência pessoal e ambiental.
O que é?
Hipertensão arterial é a pressão arterial acima de 140x90 mmHg (milímetros de mercúrio) em adultos com mais de 18 anos, medida em repouso de quinze minutos e confirmada em três vezes consecutivas e em várias visitas médicas.
Elevações ocasionais da pressão podem ocorrer com exercícios físicos, nervosismo, preocupações, drogas, alimentos, fumo, álcool e café.
Cuidados para medir a pressão arterial
Alguns cuidados devem ser tomados, quando se verifica a pressão arterial:
 
repouso de 15 minutos em ambiente calmo e agradável
a bexiga deve estar vazia (urinar antes)
após exercícios, álcool, café ou fumo aguardar 30 minutos para medir
o manguito do aparelho de pressão deve estar firme e bem ajustado ao braço e ter a largura de 40% da circunferência do braço,sendo que este deve ser mantido na altura do coração
não falar durante o procedimento
esperar 1 a 2 minutos entre as medidas
manguito especial para crianças e obesos devem ser usados
a posição sentada ou deitada é a recomendada na rotina das medidas
vale a medida de menor valor obtido
Níveis de pressão arterial
A pressão arterial é considerada normal quando a pressão sistólica (máxima) não ultrapassar a 130 e a diastólica (mínima) for inferior a 85 mmHg.
De acordo com a situação clínica, recomenda-se que as medidas sejam repetidas pelo menos em duas ou mais visitas clínicas.
No quadro abaixo, vemos as variações da pressão arterial normal e hipertensão em adultos maiores de 18 anos em mmHg:
 
SISTÓLICA DIASTÓLICA Nível
130 85 Normal
130-139 85- 89 Normal limítrofe
140 -159 90 - 99 Hipertensão leve
160-179 100-109 Hipertensão moderada
> 179 > 109 Hipertensão grave
> 140 >90 Hipertensão sistólica ou máxima
No Brasil 10 a 15% da população é hipertensa. A maioria das pessoas desconhece que são portadoras de hipertensão.
A hipertensão arterial pode ser sistólica e diastólica (máxima e mínima) ou só sistólica (máxima). A maioria desses indivíduos, 95%, tem hipertensão arterial chamada de essencial ou primária (sem causa) e 5% têm hipertensão arterial secundária a uma causa bem definida.
O achado de hipertensão arterial é elevado nos obesos 20 a 40%, diabéticos 30 a 60%, negros 20 a 30% e idosos 30 a 50%. Nos idosos, quase sempre a hipertensão é só sistólica ou máxima.
Hipertensão arterial sistêmica
A hipertensão arterial sistêmica é uma doença crônica que, quando não tratada e controlada adequadamente, pode levar a complicações que podem atingir outros órgãos e sistemas.
 
No sistema nervoso central podem ocorrer infartos, hemorragia e encefalopatia hipertensiva.
No coração, pode ocorrer cardiopatia isquêmica (angina), insuficiência cardíaca, aumento do coração e, em alguns casos, morte súbita.
Nos pacientes com insuficiência renal crônica associada sempre ocorre nefroesclerose.
No sistema vascular, pode ocorrer entupimentos e obstruções das artérias carótidas, aneurisma de aorta e doença vascular periférica dos membros inferiores.
No sistema visual, há retinopatia que reduz muito a visão dos pacientes.   
    

Benefícios dos exercícios físicos.



  
Um estilo de vida sedentário pode fazer com que os idosos tenham perdas em quatro áreas importantes para sua saúde e independência: força, equilíbrio, flexibilidade e resistência. Pesquisas sugerem que exercícios físicos podem ajudar idosos a manter ou restaurar parcialmente essas quatro áreas.

   Envelhecer não significa que a pessoas deva perder a habilidade de fazer tarefas diárias. Exercícios físicos ajudam idosos a sentirem-se melhores e aproveitar mais a vida, até para aqueles que se acham muito velhos ou fora de forma. Melhorar a força e resistência torna mais fácil subir escadas e carregar coisas. A melhoria no equilíbrio ajuda a prevenir quedas. Ficar mais flexível pode acelerar a recuperação de lesões. Se você fizer dos exercícios físicos parte das sua rotina diária, eles terão impacto positivo nas sua qualidade de vida à medida que envelhece.

   O Exercício físico deve ser sempre feito em qualquer idade, principalmente por pessoas da considerada 3° idade, da melhor idade, ou idade da razão.
Todo o ser humano começa a ter um declínio acentuado de sua capacidade vital a partir do 28/30 anos de idade isto é inexorável, devido a isto a atividade aeróbia principalmente deve ser rotineira.

        De todos os órgãos do corpo o maior consumidor de oxigênio é o nosso cérebro, sua atividade é de suma importância, pois colabora com nossas memória para dados antigos e recentes.

       Pessoas de bastante idade deveriam participar de provas pedestres, semanalmente, pois desta forma a possibilidade de um prolongamento da saúde ficaria mais evidente.