29 de mai de 2012

Rotina de trabalho flexível melhora a saúde e o bem-estar dos funcionários



Um ambiente de trabalho mais flexível pode trazer melhoras para a qualidade do sono e da saúde dos empregados, de acordo com novo estudo da University of Minnesota junto à University of Delaware, nos Estados Unidos. Os resultados foram publicados no Journal of Health and Social Behavior. 
O estudo usou dados coletados de 608 empregados de uma empresa americana antes e depois da flexibilização do ambiente de trabalho. Com isso, os pesquisadores analisaram as mudanças na saúde e nos hábitos saudáveis desses funcionários, comparando a outras pessoas que não passaram por essa experiência. 
Na iniciativa dessa empresa, os empresários permitiram que os funcionários decidissem quando e onde trabalhar, com base em suas necessidades individuais e responsabilidades no trabalho, sem que tivessem que pedir permissão ou avisar aos seus gerentes. 
Ao final do estudo, descobriu-se que esses empregados: 

- Relataram terem dormido quase uma hora a mais (52 minutos) que o de costume;
- Melhoraram os hábitos saudáveis, pois se sentiram menos pressionados a trabalhar doentes e mais propensos a procura um médico quando necessário, mesmo que estivessem atarefados; 
- Organizaram melhor o tempo para executar as tarefas e reduziram o conflito entre trabalho e família.  

Todas essas mudanças diminuíram a exaustão emocional e o sofrimento psíquico dos funcionários. O estudo reforça a necessidade de refletir sobre como o trabalho influencia a saúde dos indivíduos e o que pode ser feito para que essa interferência seja positiva. 

Trabalho agradável também reduz obesidade e tabagismo



Outro estudo, conduzido na Finlândia e publicado no periódico Occupational and Environmental Medicine, revela que indivíduos que julgam viver em melhores ambientes de trabalho apresentam menos comportamentos de risco à saúde: tabagismo, obesidade, sedentarismo e abuso de álcool. Vale lembrar que esses são os quatro fatores de risco mais associados a doenças e à mortalidade em países industrializados. 

O mundo corporativo já está bem convencido de que investir na saúde dos trabalhadores traz grande retorno econômico. O presente estudo demonstra que o clima organizacional pode ser um forte aliado para a promoção da saúde. A pesquisa analisou mais de 30 mil servidores públicos finlandeses e confirmou que fatores psicossociais associados ao trabalho são capazes de contribuir para que as pessoas adquiram comportamentos de risco. Outras pesquisas já haviam revelado que condições psicológicas adversas no trabalho aumentam o risco de obesidade e excesso de álcool. Também já havia sido demonstrado que indivíduos que não têm confiança na instituição em que trabalham têm maior dificuldade em abandonar o vício do cigarro. 

Fonte: Minha Vida

22 de mai de 2012

12 Medidas para proteger a saúde de seu coração


O Ministério da Saúde estima que 31,5% dos óbitos no Brasil são provocados por doenças cardiovasculares, tornando-se a primeira causa de morte entre a população brasileira. A doença mata por ano, 7.6 milhões de pessoas no mundo todo, devido às suas complicações como AVC, infarto, entre outras.
A hipertensão arterial e obesidade são consideradas duas das maiores vilãs da saúde do coração. Segundo dados do Ministério, cerca de 30 milhões de brasileiros têm hipertensão e há outros 12 milhões de brasileiros que ainda não sabem que possuem a doença no Brasil. Quando não controlada, a pressão arterial causa lesões na artéria aorta e provoca a sobrecarga do coração, que fica com o músculo mais rígido, aumenta de tamanho e fica inchado. Já o excesso de peso, principal causador da hipertensão, exige um esforço maior não só do coração, mas também de todo o sistema circulatório, sendo a principal causa do aumento da pressão e podendo levar ao desenvolvimento de insuficiência cardíaca, ou seja, da diminuição da capacidade do coração de cumprir a sua função de bombear efetivamente o sangue, que corre por todo o corpo, alimentando órgãos e tecidos vitais. Por isso, manter hábitos saudáveis é fundamental para blindar o coração. A seguir, confira 12 maneiras de proteger esse órgão vital.
Estresse - Foto: Getty ImagesO colesterol alto, que causa a hipertensão e obstrui as artérias co coração, é um dos efeitos do excesso de estresse. A ansiedade aumenta a liberação de cortisol no organismo, hormônio que faz crescer a concentração de glicose no sangue, desencadeando problemas como diabetes, altos níveis de triglicérides e descontrole de colesterol. Cada vez que você fica ansioso, a quantidade de radicais livres que passam a circular no seu organismo aumenta. Com a ansiedade, a presença dos radicais livres no organismo aumenta, podendo gerar o agravamento de problemas cardíacos. Isso porque eles interagem com o colesterol em excesso no organismo, formando placas nas paredes dos vasos sanguíneos, além de piorar certas doenças inflamatórias e causar envelhecimento.
Oléo - Foto: Getty ImagesPrefira os óleos vegetais. Na luta para abaixar os níveis de colesterol, em vez de apenas restringir o consumo dos tradicionais vilões do coração (como as gorduras saturadas), você pode recorrer à ajuda de alguns mocinhos. O óleo de canola e o azeite de oliva são bons exemplos de alimentos que você deve incluir na dieta. Segundo a nutricionista Roberta Stella, as gorduras monoinsaturadas presentes nos dois tipos de óleos vegetais ajudam a reduzir as taxas de LDL, o mal colesterol. Já os óleos vegetais ricos em gorduras poliinsaturadas, como o de soja, girassol e milho, aumentam os níveis de HDL, considerado como bom colesterol. A dica da especialista, portanto, é, além de ficar de olho na quantidade de gorduras saturadas e trans, dar preferência aos alimentos com maior quantidade de gorduras mono e poli-insaturadas.
Carne - Foto: Getty ImagesManeire nas carnes. Principalmente a carne vermelha apresenta uma quantidade maior de colesterol. Ainda mais se conter capas generosas de gordura. Porém, isso não significa que elas devem ser totalmente excluídas do seu cardápio. "Controlando a ingestão dos outros alimentos fontes de colesterol, é possível ingerir carne vermelha até três vezes por semana", diz a nutricionista Roberta Stella. O fato de as carnes vermelhas oferecerem mais colesterol, no entanto, não faz com que os outros tipos de carnes possam ser consumidos à vontade. De acordo com Roberta, as carnes brancas e magras também possuem colesterol e, por isso, devem ser dosadas. "Os alimentos que contêm colesterol devem ser monitorados de uma forma geral. Leve em conta que o total da gordura obtido em um dia deve ser menor que 300 mg", completa. Uma dica: 100 gramas de contra-filé grelhado com gordura contêm 144 mg de colesterol. Sem a gordura, a quantidade diminui para 102 mg.
Açúcar - Foto: Getty ImagesAté o açúcar? Isso mesmo. Um estudo publicado no Journal of American Medical Association sugere que, assim como uma dieta rica em gordura pode aumentar os níveis de triglicerídeos e colesterol, a ingestão de açúcar também pode afetar as taxas de lipídios. Para a realização do estudo, foram analisados os níveis de lipídios no sangue em mais de seis mil homens e mulheres adultos. Os pesquisadores descobriram que pessoas que consumiam mais açúcar tinham maior propensão de ter uma doença cardiovascular. Os cientistas não sabem ao certo que processo está envolvido nessa ligação do açúcar com o colesterol, pois até hoje, o que se sabia era a associação entre o consumo de açúcar e o diabetes. No estudo, o grupo de maior consumo ingeria uma média de 46 colheres de chá de açúcares "escondidos" nos alimentos por dia. O grupo de menor consumo ingeria uma média de apenas cerca de três colheres de chá por dia.
Vegetais - Foto: Getty ImagesVegetais - sempre! Um importante estudo científico divulgado no periódico americano Circulation demonstrou que o consumo de proteínas de origem vegetal está associado à redução da pressão arterial, ao mesmo tempo em que confirmou estudos anteriores de que o consumo total de proteínas não aumenta os níveis de pressão sanguínea. O ácido glutâmico, principal aminoácido encontrado nas proteínas vegetais, é um dos micronutrientes que ajudam a controlar a pressão arterial. Essa é uma das formas de se explicar a razão pela qual os vegetarianos têm menor tendência a desenvolver hipertensão arterial.
Sol - Foto: Getty ImagesVitamina D. Um estudo realizado pela Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, revelou que 20% dos casos de hipertensão em mulheres estão associados ao descontrole dos níveis da pressão arterial em decorrência da falta de vitamina D no organismo. Este nutriente pode ser encontrado em alimentos como a manteiga, gema de ovo, fígado, entre outros, mas sua principal fonte de absorção é a luz solar. Portanto, 15 minutinhos de exposição ao sol são mais do que recomendados. O nutriente também é importante no processo de absorção de cálcio e fósforo no intestino e na mineralização, ou seja, crescimento e reparo dos ossos.
Sono - Foto: Getty ImagesSono reparador. Estudos recentes apontam que cerca de 40% dos indivíduos hipertensos sofrem também de apneia obstrutiva do sono, alertando para uma relação entre as doenças. A apneia atinge aproximadamente sete em cada 100 pessoas e a incidência é maior no sexo masculino. Estima-se que 24% dos homens de meia-idade e 9% das mulheres são afetados pela apneia. A doença caracteriza-se pelo ronco que segue em um mesmo ritmo, vai ficando mais alto e, de repente, é interrompido por um período de silêncio. Neste momento, a pessoa fica totalmente sem respiração, mas, logo o ronco volta ao ritmo inicial. Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH), Artur Beltrame Ribeiro, quem sofre de apneia do sono apresenta mais variabilidade da pressão e o aumento está ligado à lesão dos órgãos-alvo, como coração, cérebro e rins. Além disso, uma noite bem dormida tem a ver com viver mais, de acordo com um estudo da Universidade de Warwick e da Universidade Federico II, na Itália. De acordo com os pesquisadores, quem dorme menos de seis horas ou mais de oito ao dia tem 12% a mais de chance de morrer. Com a qualidade do sono prejudicado, crescem os ricos de acidentes, por conta da sonolência, e de ataques cardíacos em função do estresse.
Vinho - Foto: Getty ImagesVinho sim! Um estudo publicado no "Public Library of Science One", mostra que pequenas doses de resveratrol, um tipo de substância antioxidante presente nas uvas, em especial as tintas, protegem o coração contra o envelhecimento e reduzem os níveis de colesterol ruim, o LDL. No entanto, não vale exagerar: uma taça de vinho por dia é suficiente para dar proteger o coração sem maltratar o fígado, por conta do teor alcoólico.
Música - Foto: Getty ImagesOuça a música do coração. Um estudo realizado pela Universidade de Maryland, nos EUA, com 10 participantes que não tinham nenhuma doença aparente constatou que quando eles ouviam por 30 minutos suas músicas preferidas ocorria a dilatação dos vasos sanguíneos. Esse gesto se equipara a reação de uma gargalhada, ao fazer atividades físicas ou quando tomavam medicações para o sangue. O diretor da cardiologia da instituição, Michael Miller, explica que ocorreu um aumento de 26% no diâmetro dos vasos, enquanto ao ouvirem uma música que não agradava ocorria uma redução de 6%. Dessa forma, o sangue flui mais facilmente, reduzindo as chances de formação de coágulos que causam infartos e derrames, além de reduzir os riscos do endurecimento dos vasos, característicos da aterosclerose.
Sal - Foto: Getty ImagesManeire no sal. Pesquisas científicas já comprovaram a relação direta entre o consumo de sódio e a hipertensão arterial. De acordo dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia, o brasileiro consome em média 12 gramas de sal por dia, quando o recomendado seria limitar essa ingestão a 6 gramas. Em geral, a quantidade é alta porque, além do sal contido no alimento industrializado, as pessoas não dispensam apelar para o saleiro durante as refeições. De acordo com a nutricionista Eliane Cristina de Almeida, da Unifesp, o maior perigo do sódio é que ele está escondido nos alimentos. "Alimentos como fast-food, comida congelada, salgadinhos, biscoitos, refrigerantes, cereal matinal, embutidos, chocolate, carne bovina, leite e derivados contém boa quantidade de sódio que não costumamos perceber", diz a especialista.
fio dental - Foto: Getty ImagesUse fio dental. Uma pesquisa feita por cientistas da Itália e do Reino Unido, publicada no site do Jornal da Faseb (do inglês, "The Federation of American Societies for Experimental Biology"), mostra que gengivas infectadas podem ser um fator de risco para desenvolver problemas no coração. De fato, uma adequada higiene dental pode reduzir o risco de aterosclerose, derrame e doenças no coração, independentemente de outras medidas, como o controle do colesterol. "Há muito tempo se suspeita de que a aterosclerose é um processo inflamatório e que a doença periodontal tem um importante papel na aterosclerose", afirma Mario Clerici, pesquisador do estudo.
Peixe - Foto: Getty ImagesDieta mediterrânea. A dieta típica da região banhada pelo Mar Mediterrâneo , ela é conhecida por seus benefícios ao coração. Os principais participantes dos pratos são as gorduras protetoras, que agem contra o desenvolvimento de doenças cardiovasculares , diz a nutricionista do Minha Vida, Roberta Stella. Ela aumenta o nível de colesterol bom (HDL) e diminuir as taxas do colesterol ruim (LDL) do sangue, além de evitar a obstrução das artérias. Dentre as principais características dessa dieta, estão o baixo consumo de carne vermelha, a ingestão de frutas, cereais e nozes, o alto consumo de peixes, o consumo moderado de vinho e o azeite de oliva como fonte de gordura saudável. Além disso, os peixes contêm ômega 3, reconhecido como um nutriente cardioprotetor, isto é, beneficia a saúde cardiovascular.
MUDANÇAS MUITO SIMPLES FAZEM ELE BATER MAIS FORTE!
Add caption
Fonte: Minha Vida

15 de mai de 2012

Pilates no combate á Dor na Coluna

Pilates no combate à dor de coluna
Pilates



Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), todas as pessoas enfrentarão dor nas costas ao menos uma vez na vida. A má postura no dia-a-dia e o excesso de tempo gasto na frente do computador, além do uso de bolsas pesadas e calçados inapropriados, podem causar danos ao corpo, principalmente para sua base estrutural: a coluna.
Nessa matéria uma das formas de combater este incômodo, o Pilates. A atividade possui técnicas apropriadas que auxiliam no alívio das dores, através de um eficaz fortalecimento de musculaturas profundas e certeiras na reeducação postural, como os multífedos, que atuam como estabilizadores da coluna. Ou seja, são esses músculos que - quando saudáveis - mantêm a coluna posicionada no seu lugar, sem desvios. Os músculos paravertebrais também são trabalhados no Pilates, auxiliando na manutenção da coluna ereta. Já o músculo quadrado lombar auxilia na extensão de tronco (quando inclinamos o tronco para trás) e também na rotação de tronco (movimento feito quando estamos no banco da frente do carro e pegamos a bolsa no banco de trás). Por último, o Pilates trabalha o trapézio, músculo responsável pelos movimentos de ombro, cabeça e diafragma - músculo da respiração.
O Pilates pode ser praticado por qualquer pessoa de qualquer faixa etária. Mas antes de iniciar os exercícios, principalmente para quem já apresenta dor na coluna, é fundamental uma avaliação física de um profissional qualificado.
O método Pilates tem como base, os princípios criados por Joseph H. Pilates e associa a estes, os conceitos de Rolfing, Polestar, Feldenkrais, Power Yoga, stretching, Fisioball, Gyrokinesis e outras técnicas de conscientização corporal e teorias de controle motor.
Com a certeza de que os músculos devem ser fortes e flexíveis para se manterem bonitos e saudáveis, o Pilates fortalece os músculos fracos, alonga os músculos que estão encurtados e aumenta a mobilidade das articulações. Movimentos fluentes são feitos sem pressa e com muito controle para evitar estresse. O alinhamento postural é importante em cada exercício, ajudando na melhora da postura global do indivíduo.

Assim, a força, a tonificação e o alongamento são trabalhados de dentro para fora do corpo, tornando-o forte, bonito, saudável, harmonioso e elegante.
As aulas apresentam:
Pilates
  • Exercícios suaves e eficazes;

  • Poucas repetições de cada movimento;

  • Grande repertório de exercícios;

  • Aulas únicas, evitando monotonia;

  • Uso de aparelhos e acessórios criados especialmente para os exercícios;

  • Resultados rápidos e duradouros;

  • Construção de uma postura correta e natural;

  • Não há desgaste físico.


Benefícios:

  • Aumenta a resistência física e mental;

  • Alongamento e maior controle corporal;

  • Correção postural;

  • Aumento da flexibilidade, tônus e força muscular;

  • Alívio das tensões, estresse e dores crônicas;

  • Melhora da coordenação motora;

  • Maior mobilidade das articulações;

  • Estimulação do sistema circulatório e oxigenação do sangue;

  • Facilita a drenagem linfática e eliminação das toxinas;

  • Fortalecimento dos órgãos internos;

  • Aumento da concentração;

  • Trabalha a respiração;

  • Promove relaxamento.

O Pilates é agradável, fácil e traz resultados rápidos. Qualquer pessoa, com mais de 12 anos e em todos os níveis de condicionamento físico pode praticá-lo. Experimente!

Realize exercícios com foco e concentração
Geralmente os exercícios de Pilates para dor de coluna devem ser repetidos cerca de quatro vezes cada um, mas será você quem determinará a quantidade de repetição. Procure observar seu corpo e respeitar seus limites. Vá aumentando as séries conforme ganhar mais resistência e habilidade.
Para a realização dos exercícios, procure usar roupas confortáveis e realizar as atividades em cima de uma toalha, tapete ou colchonete. Se for possível, tire uns 20 ou 30 minutos somente para isso, sem a presença de televisão, telefone e nem nada que desconcentre. Para que surja efeito, o Pilates deve ser realizado com foco e concentração, pois somente assim é possível ganhar a consciência de cada músculo que está sendo trabalhado no corpo. Consciência esta que facilita na hora do fortalecimento, trazendo resultados mais rápidos.
Ao incorporar o hábito de realizar estes exercícios no seu dia-a-dia, perceberá que este cuidado não fará somente bem para seu corpo, mas também para sua mente, que ficará mais serena.
Nas próximas páginas você poderá conferir uma sequência de exercícios de Pilates para fazer em casa.
Pilates no combate à dor de coluna1 - Este exercício de Pilates é realizado em quatro apoios e em quatro respirações. Com as costas bem retas, inspire profundamente e devagar pelo nariz, direcionando o fôlego para a parte posterior das costelas. Em seguida, solte o ar pela boca.
Pilates no combate à dor de coluna2 - Inspire profundamente e então solte o ar, realizando o movimento ao mesmo tempo que expira. Procure achatar a barriga, puxando o umbigo em direção à coluna e curvando-a para cima.
Pilates no combate à dor de coluna
3 - Agora o movimento será inverso. Inspire profundamente e devagar. Ao expirar, force a barriga para baixo e empine o glúteo.
Fortalecimento e Equilíbrio
Pilates no combate à dor de coluna1 - Este exercício será iniciado novamente pela posição de quatro apoios. Inspire profundamente, mantendo as costas retas.

Pilates no combate à dor de coluna2 - Novamente inspire e, ao expirar, levante seu braço direito juntamente com a perna esquerda. Procure deixar as costas retas e o braço e a perna lineares.
A tentativa de manter o equilíbrio é justamente o que levará a um fortalecimento dos músculos profundos, portanto mantenha-se nessa posição durante um tempo que acredite ser bom o suficiente para você, o que costuma a princípio variar cerca de 30 segundos. Depois, faça o mesmo dos lados alternados de perna e braço.
Reeducação Postural
Pilates no combate à dor de coluna1 - Este exercício é realizado sentado. As pernas deverão estar ligeiramente afastadas e, se houver desconforto nesta posição, coloque uma toalha pequena embaixo do joelho. Inspire e, ao expirar, levante os braços até ficarem erguidos na altura dos ombros.
Pilates no combate à dor de coluna2 - Inspire e, ao expirar, contraia o abdome e curve a parte superior das suas costas para a frente, mantendo a lombar reta e relaxando o pescoço.
Mantenha-se nessa posição durante o tempo que achar suficiente para você, o que costuma variar cerca de 40 segundos. Então, inspire profundamente e devagar e, ao expirar, retorne à posição inicial.

Ilustrações: Diego Pedroso.
Fonte: Personare.



1 de mai de 2012

Dia do Trabalho

Nesta terça iremos comemorar o Dia do Trabalhador. Trabalhar gera conhecimentos, riquezas materiais, satisfação pessoal e desenvolvimento econômico e, por isso, é uma atividade muito valorizada em todas as sociedades.

Porém, apesar de trazer todos esses benefícios, o trabalho costuma ser o principal foco do estresse. Mas, existem algumas técnicas simples para evitar esta situação e, em conseqüência, tornar o ambiente de trabalho mais agradável:
  • Pare e respire: Observe sua respiração. Quando perceber que se esqueceu disso, respire lenta e profundamente três vezes, depois retome o trabalho;
  • Respire outros ares: Por alguns minutos, vá a algum andar diferente ou a algum lugar que você vá raramente. Se acalme, ou apenas fique em silêncio, por alguns instantes;
  • Busque renovação: O nosso corpo está sempre se renovando. Dorme para se recuperar, se alimenta para adquirir energia, perde células para dar especo às novas, etc. Este é um exemplo a ser seguido também no nosso trabalho. Se desfaça do que não é necessário e concluir o serviço de uma maneira inteiramente diferente. Imagine algo que você gostaria de participar e pense em uma maneira de realizar isso.
  • Beba água: Ingira ao menos dois copos de água de manhã e de tarde, principalmente se você estiver em um local com ar condicionado. Assim, você terá menos vontade de consumir doces, fumar ou roer unhas – o que fará com que tenha mais energia;
  • Busque equilíbrio: Compare suas atividades, veja em qual gasta mais tempo e qual tem maior prioridade. Por você gastar mais tempo, quer dizer que esta determinada atividade é prioritária? Opte. Isto te auxiliará no equilíbrio.
  • Compreenda: Quando ouvir um comentário ou crítica sobre seu trabalho, releve e pense que críticas são uma oportunidade de crescimento;
  • Respeite seu organismo: Não despreze suas necessidades básicas e não deixe que o trabalho as determine. Coma bem, beba muita água, faça exercícios, descanse, durma cedo, respire ar puro, etc. Divida seu cronograma e garanta tempo para estas atividades;
  • Fique atento aos detalhes: A tela do computador deve estar reta, na altura dos olhos e com o brilho mais suave possível.
A cada três horas, faça uma pausa de cinco minutos para se mexer e alongar os braços, o pescoço e as pernas.
Seguindo estas dicas, você torna a sua rotina de trabalho mais agradável e ainda contribui para a sua saúde.
Fonte: Mundo Verde