6 de set de 2011

Dicas de Saúde

AS DOENÇAS MAIS COMUNS NA INFÂNCIA

Fonte: Dra Maria Amparo Martinez Descalzo de Menezes - Formada pela Faculdade de Medicina da USP, com especialização em Pediatria.

FEBRE

A febre é um sinal clínico caracterizado pelo aumento da temperatura corpórea. Há muitas causas para a febre, sendo a mis comum e significativa um processo infeccioso, seja ele leve, sem riscos de vida, ou grave. O controle da temperatura corpórea depende do bom funcionamento do sistema nervoso. O recém-nascido não tem esse controle totalmente desenvolvido, ma a partir do segundo mês de vida tal controle já está bem determinado, podendo haver ainda pequenas variações de pessoa para pessoa. A faixa de normalidade de temperatura corpórea é de 36ºC a 37,5ºC. Sempre que houver desconfiança da existência de febre, deve-se medir a temperatura da criança com um termômetro (de mercúrio ou digital) na região axilar, pressionando o braço moderadamente por um período de 3 minutos. No caso da criança da criança estar muito agasalhada deve se diminuir a quantidade de roupa, aguardar aproximadamente 15 minutos e medir a temperatura novamente. Se houver a confirmação de febre deve-se administrar à criança medicação antitérmica conforme a orientação do seu pediatra. Se a temperatura estiver muito alta (39ºC-41ºC), além do antitérmico, a criança deve ser submetida a banho de imersão em água morna por um tempo aproximado de 30 a 40 minutos. No caso da criança apresentar febre com arroxeamento dos lábios e extremidades e movimentos de espasmos e tremores do corpo, caracterizando convulsão, deve-se administrar o antitérmico e procurar um Pronto Socorro imediatamente.



RESFRIADOS E GRIPES 

As Infecções das Vias Aéreas Superiores (IVAS) são as infecções mais comuns na infância, principalmente nas crianças que freqüentam berçários e creches. Geralmente as crianças apresentam quadro de coriza, febre (1 a 3 dias), falta de apeite e discreta prostração. Pode chegar a inflamar a garganta e os ouvidos, porém o quadro é benigno, com resolução espontânea em 4 a 6 dias. Não há necessidade da administração de antibióticos, apenas de sintomáticos como analgésicos e antitérmicos. É importante dar bastante líquido para a criança e mantê-la em repouso relativo.



INFECÇÃO POR ROTAVÍRUS 

Trata-se de uma virose que acomete crianças de qualquer idade e causa febre e vômitos inicialmente, acompanhados de mal-estar e prostração e, posteriormente um quadro de diarréia. A maioria dos casos tem evolução benigna e resolução em 3 a 5 dias. Alguns evoluem com muitos vômitos e diarréia intensa, chegando a desidratação e necessitando de internação. Para os quadros leves devemos apenas administrar antitérmicos e oferecer líquidos (água, chá, suco) em pouca quantidade, porém a cada meia hora.


CAXUMBA

É uma doença provocada por vírus que acomete as glândulas salivares e parótidas. O período de incubação é de 14 a 21 dias e raramente tem uma fase de pródromo: febre baixa,dor muscular, dor de cabeça (como uma gripe). Em seguida ocorre o aumento das parótidas (em horas ou dias, uma ou ambas) que são glândulas que produzem saliva e se localizam abaixo da orelha, no ângulo da mandíbula. Há dor para ingerir alimentos ácidos ou muito doces. Como complicação pode haver o acometimento dos testículos e, eventualmente do cérebro, causando meningoencefalite. O tratamento é repouso absoluto, antitérmicos e analgésicos.



ERITEMA INFECCIOSO

Também é de causa viral, acometendo preferencialmente crianças em idades pré-escolar e escolar. A transmissão é por um período curto. Pode dar febre ou não, mas aparece exantema (vermelhidão intensa na pele) em tronco e extremidades, geralmente poupando a face, que pode permanecer por vários dias (até 1 mês). O exantema pode estar acompanhado de coceira. O tratamento consiste em cuidados gerais apenas.




VARICELA OU CATAPORA

Período de incubação de 11 a 21 dias. Pode acometer qualquer idade, sendo mais severa em idades mais avançadas. O pródromo consiste em febre baixa, mal estar e falta de apetite 1 ou 2 dias antes de aparecer o exantema (manchas pelo corpo); este se inicia no tronco - face e pescoço - membros. Também há acometimento das mucosas, formando aftas que dificultam a alimentação. As lesões se iniciam com uma bolinha vermelha que se transforma em bolinha de água, que seca e forma crosta; esse processo dura geralmente de 3 a 5 dias. O contágio vai desde 1 dia antes do aparecimento do exantema (manchas pelo corpo) até a formação de crosta (enquanto houver bolinha de água haverá transmissão do vírus). O tratamento consiste em antitérmico e cuidar de lesões para que não infeccionem. Existe vacina que pode ser dada acima de 1ano de idade.



SARAMPO

É uma doença causada por vírus, acometendo predominantemente crianças de 2 a 5 anos. Atualmente é bastante rara no nosso meio. Tem um período de incubação de 10 a 12 dias e apresenta três fases clínicas: a) Período de Incubação sem sintomas ou sintomas muito leves. B) fase catarral, com vermelhidão na boca, conjuntivite, coriza, tosse e febre moderada - essa é a fase mais contagiante; c) fase exantemática (manchas pelo corpo) que é o estágio final da doença, onde aparecem manchas vermelhas pelo corpo (pescoço, face, corpo, braços e pernas) com 9 - 10 dias após a exposição até 5 dias após o desaparecimento das manchas. Existe vacina que é administrada aos 9 meses, com reforço aos 15 meses. O tratamento é apenas com sintomáticos (para dor e febre) e repouso no leito.



RUBÉOLA
O vírus da Rubéola produz um quadro geralmente leve em crianças. Em adolescentes e em adultos o quadro costuma ser mais acentuado. Inicia-se com febre baixa acompanhada de exantema (manchas pelo corpo) leve de distribuição generalizada e que se espalha rapidamente, permanecendo por 3 a 4 dias. Geralmente a garganta está inflamada. Uma característica é que os gânglios do pescoço, principalmente em região retroauricular, sofrem aumento do seu tamanho e ficam doloridos. O Período de Incubação é de 14 a 21 dias e a transmissão ocorre desde 7 dias antes até 7 dias após o desaparecimento do exantema (manchas pelo corpo). O tratamento consiste apenas em medidas gerais e antitérmicas. O maior perigo é adquirir o vírus durante os três primeiro meses de gravidez, quando vírus pode provocar malformações no feto; portanto, uma criança com rubéola deve ser afastada de qualquer mulher que esteja ou posa estar grávida.



Intoxicações por medicamentos: Sinal de Alerta


As intoxicações por medicamentos e substâncias tóxicas são assunto sério, principalmente na faixa etária pediátrica, podendo provocar desde quadros simples a quadros onde a criança corre risco de vida.
Nos Estados Unidos, aproximadamente 100 crianças com menos de 5 anos morrem anualmente em conseqüência à intoxicação. Do total de casos de intoxicação, 85 a 90% ocorre na faixa pediátrica sendo que, 63% em crianças abaixo de 5 anos, devido ao seu comportamento explorador e supervisão inadequada.
A maioria dos casos é acidental (89%) e mais de 90% dos casos acontece em casa. A causa mais importante das intoxicações é a ingestão de substâncias como produtos de limpeza (maioria derivados de petróleo) e medicamentos. Estes últimos são utilizados por algum membro da família ou pela própria criança e, imprudentemente, são deixados ao seu alcance, despertando sua curiosidade.

Também ocorrem casos de erro de administração, por falta de atenção do adulto ou dificuldade de preparar a dose a ser administrada à criança. No meio médico, os casos de erro de administração chegam a 3,5% do total de casos. Pequenos erros na dosagem de determinados medicamentos (remédios para asma, alergias, antibióticos e digitálicos) podem ser fatais ou levar a conseqüências sérias como insuficiência renal, arritmias cardíacas e hipertensão grave. Não é difícil concluir que é de suma importância deixar os medicamentos e substâncias tóxicas longe do alcance das crianças e dar preferência às embalagens que dificultem a sua abertura e permitam a dosagem com facilidade.
Do mesmo modo, é indispensável que o pediatra dê uma boa orientação, prescreva de modo claro e legível qualquer medicação e chame a atenção para as principais complicações possíveis.


Nenhum comentário:

Postar um comentário