28 de set de 2011

Instrumentação Cirúrgica - Anestesia


Anestesia


Ainda assusta muita gente. Mas, segundo os especialistas, a falta de informação é a maior causa para tanto medo.

O que é?
De origem grega, a palavra quer dizer "sem sensibilidade". É o estado de total ausência de dor durante uma operação, exame ou curativo.

Quanto tempo dura?
O necessário para que seja realizada a operação. Depende também do anestésico empregado.

Riscos de uma anestesia
Complicações são muito raras atualmente. Com medicamentos, equipamentos e técnicas modernas, já se reduziu ao máximo os riscos de acidentes anestésicos. Mas os riscos nunca chegam a zero, já que outros fatores, como a própria operação e as condições do hospital, interferem. Em operações de emergência e em pessoas com outras doenças, os riscos aumentam.
Tipos de anestesia

Local

  
É indicada para operações simples, que envolvem pequenas áreas, como algumas cirurgias plásticas ou para suturar cortes (dar pontos).

Área de atuação 
Torna insensíveis pequenas áreas em qualquer parte do corpo.

Procedimento

(1) A aplicação é feita na região onde a pequena cirurgia será efetuada. 
(2) A agulha penetra na pele, indo até a camada sub-cutânea. 
(3) O anestésico não atinge o nervo propriamente dito, mas terminações nervosas da pele.

Regional

Podem ser de três tipos: bloqueio de plexo (grupo de nervos), peridural ou raquianestesia.

Bloqueio de plexo (exemplo no plexo braquial)
 
É indicada para operações em qualquer região do braço.

Procedimento 

(1) A pessoa recebe uma anestesia local na região cervical. 
(2) A agulha penetra na pele, passando pelo músculo até atingir o grupo de nervos (plexo braquial). 
(3) O anestésico é injetado e absorvido por todos os nervos. 
Área de atuação 
Deprime todas as funções do braço, eliminando a sensibilidade e movimentos.
 
Peridural e raquianestesia

 
São indicadas para operações nas pernas, abdômen inferior (apendicite, útero, ovário, bexiga) e cesarianas. Nos dois procedimentos, o paciente pode receber a aplicação deitado, de lado ou sentado.
Área de atuação O anestésico deprime as funções da cintura para baixo da pessoa.

Procedimento

 
1) É dada uma anestesia local. 
2) A agulha penetra na pele, no tecido subcutâneo e nos ligamentos espinhosos.
Peridural 

 
3) O anestésico é injetado no espaço peridural (camada de gordura anterior à duramáter-membrana que envolve a medula vertebral).
Raquianestesia 
 
3) A agulha ultrapassa a duramáter, mas não atinge a medula. O anestésico é injetado em uma região abaixo da medula, onde só há filamentos nervosos.

 Geral


 
É indicada para operações no abdômen superior, tórax ,cabeça, pescoço, cirurgias cardíacas e neurológicas (no cérebro). Operações em crianças normalmente são realizadas com anestesia geral, para evitar que elas se traumatizem ou fiquem inquietas durante a cirurgia.
Área de atuação Atua no corpo inteiro, deprimindo todas as funções da pessoa (consciência, dor e reflexos).

Procedimento

(1) O anestesiologista instala soro-fisiológico e injeta medicamentos que induzem o sono na veia da pessoa. 
(2) Através de um tubo na laringe ou uma máscara, a pessoa passa a receber oxigênio. 
(3a) O anestésico pode ser aplicado junto com o oxigênio (anestesia inalatória), na forma gasosa. Ao chegar ao pulmão, é absorvido e entra na corrente sangüínea. 
(3b) Outra maneira é aplicá-lo em forma líquida, por meio de doses repetidas na veia da pessoa (anestesia venosa).

Precauções
  • A pessoa deve fazer jejum de seis horas para líquidos e oito para alimentos sólidos;
  • Cabe ao anestesiologista checar se a pessoa é alérgica a algum medicamento e se tem outras doenças além do problema a ser tratado;
  • Conversar com o anestesiologista antes da cirurgia para esclarecer as dúvidas e se acalmar.
Sensação depois da anestesia
  • Depende da operação, do tipo de anestesia e das condições físicas de cada pessoa;
  • Mas é normal que a pessoa sinta dificuldade de concentração e sonolência por duas a três horas;
  • Em alguns casos ocorre o que os médicos chamam de ressaca (náuseas por um ou dois dias).

Nenhum comentário:

Postar um comentário